Entrevista com o Video Shaman Alex Lipton

Eu deparei-me com o trabalho de Alex Lipton graças aos brilhantes vídeos que ele desenvolve com Bruce Lipton. O impressionante texto de Alex Crisis Ignites Evolution onde ele explica porquê que os desafios que enfrentamos atualmente são a nossa oportunidade para “nos levantarmos e expressar o nosso total potencial como espécie” é uma leitura obrigatória!

Alex Lipton é o criador de Video Shaman onde ele combina as suas duas paixões e talentos naturais: xamanismo e videografia. O Alex é também um dos organizadores de Human Origins Conference, que terá lugar em 2020 e cujo tema deste será “In Plain Sight: The Hidden Truths of our Cosmic Legacy”.

Nesta entrevista, Alex partilha o seu percurso connosco e também o que podemos fazer para restituir equilíbrio na nossa casa, a Terra.

 

1 – O quê que te levou a criar o Video Shaman e o que te atraiu no tipo de trabalho que tu fazes?

Originalmente, o termo “Video Shaman” era uma alcunha que me foi dada por alguns dos meus clientes. Na área que trabalho, eu tendo a envolver-me com pessoas e negócios que têm novas e interessantes perspetivas sobre a realidade. Eu essencialmente sirvo como “xamã” dos aspectos técnicos da produção de vídeo, computador e implementação de ideias criativas que se manifestam no produto final. Eu comecei a tomar o título de Video Shaman muito a sério neste campo através do meu trabalho profissional com vídeo, ao mesmo tempo que vivia rituais de passagem na minha vida pessoal. Para dar mais contexto a isto, podemos regredir até quando eu estava a trabalhar como estagiário na Silver Pictures na Warner Brothers. Eu lembro-me duma experiência muito vívida que mudou a minha perspectiva para sempre. Eu tinha a tarefa de distribuir alguns guiões e papelada, pelo que me encontrei a conduzir um carro de golf num dia bonito no sul da Califórnia nas instalações da Warner Brothers. À minha volta havia grandes cenários e pessoal de produção de filmes, atores famosos e subitamente eu tive uma revelação “Uau, este é o meu sonho… ESTE é o ambiente onde eu sempre quis estar desde que tinha 8 anos… ISTO É O QUE EU QUERO FAZER!” E, à medida que eu sentia esta sensação incrível, uma epifania surgiu na minha alma, uma que me fez literalmente parar o carrinho de golf, um novo pensamento assomou-me, “Isto NÃO é o que eu quero fazer.” Por mais verdadeiro que sentisse isto, parecia-me uma loucura na minha mente. Apesar de eu estar nas instalações da Warner Brothers, eu percebi a fachada, e compreendi que o meu verdadeiro propósito não era simplesmente subir a escada de Hollywood, e essencialmente ser escravo dos outros com o objetivo final de “entreter” as pessoas. Eu sabia que havia mais na vida, e que o meu propósito era ajudar a aumentar a consciência da Humanidade… Era claro para mim que eu não ia ser capaz de “apenas fazer filmes”. Eu precisava de caminhar um caminho diferente, um que me levou a estudar Xamanismo e que evoluiu para a minha compreensão da natureza e da realidade. Por isso, desde então, eu tenho vindo a conjugar o meu sonho de infância de criar e fazer filmes com o sonho de me conectar à espiritualidade e traduzir esse propósito numa forma de vida. Ao longo dos anos, eu tornei-me próximo de vários lideres espirituais e científicos do mundo, aprendendo ao longo do caminho que estamos no meio de uma enorme mudança do panorama geral. Com tudo isto dito, o Video Shaman é a forma de vida que me permite ser Espiritual e Científico ao mesmo tempo.

 

2 – O quê que podemos fazer ativamente a nível diário para restituir o equilíbrio na Terra e/ou para minimizar os efeitos nefastos das nossas ações passadas no nosso ecossistema?

Relativamente à questão “o que podemos fazer” para restituir o equilíbrio na Terra, eu sou relembrado de algo muito importante que aprendi enquanto trabalhei na Austrália há muitos anos. Parece uma resposta contra-intuitiva, mas posso sugerir que talvez aquilo que todos possamos fazer seja nada? Será que já não fizemos o suficiente? Claro, ao início isto soa errado, mas se olharmos para as “ações de fazer” no contexto de “essência do ser”, geralmente no mundo da civilização ocidental o ênfase da vida é definido pelo que “fazemos”. Habitualmente, durante a crise, nós somos levados a fazer algo sobre isso, raramente somos incentivados a parar tudo o que estamos a fazer e reflectir no nosso ser. Parece-me que nós estamos nesta situação de desequilíbrio na Terra, porque historicamente nos percepcionamos como separados da natureza. A crise na natureza que estamos a enfrentar é uma que nós próprios criámos, por isso a primeira parte da minha resposta sobre o que podemos fazer activamente para restituir o equilíbrio na Terra é não fazer, mas em vez disso parar de fazer… e simplesmente ser. Quando reflectimos no nosso ser e simplesmente escutamos, nós vamos receber verdadeira sensatez da vida interior, de que somos um com a natureza e não separados dela. Como Einstein disse “nós não podemos resolver os problemas do mundo com o mesmo pensamento que criou os problemas em primeiro lugar”. Nós temos de mudar o nosso pensamento primeiro. Esta é a essência de muito do que é necessário mudar a nível de consciência para que possamos restituir o equilíbrio na Mãe Terra. Na prática, eu acho que o melhor que cada um pode fazer é embarcar na sua viagem pessoal de descoberta espiritual e conexão com o todo. Não há nenhum guião para fazer isto, é uma experiência muito pessoal que eu acho que é um alívio, porque a mãe natureza está a dar-nos uma grande oportunidade desde que nós decidamos que queremos mudar, e através de reflexão no ser, o nosso G.P.S. (greater personal self) vai guiar-nos naquilo que podemos fisicamente fazer para trazer equilíbrio de volta. Portanto, em conclusão, primeiro temos de reflectir no nosso ser e tranquilizar a mente de modo a recebermos sabedoria, depois podemos proceder em fazer coisas que tornem o mundo mais harmonioso.

 

Para apoiar o Skin at Heart partilhe este texto nas suas redes sociais e visite Donorbox ou Patreon

Deixar uma resposta