Entrevista com a Life Coach Sarah Jane Hayler

Sarah Jane Hayler é uma inspiradora Life Coach que fundou a Developing You que tem vindo a mudar a vida de milhares de seres humanos através de um método designado de a Prática The Gift. A Sarah é também a autora de The Gift: A Simple Daily Pratice que é um guia prático que explica como pode ser fácil mudar ou melhorar a vida através da implementação de simples práticas diárias. A Sarah é também a Mãe de duas mulheres incríveis que têm vindo a partilhar a Prática The Gift e foi através de uma delas, Freya Snelling, que eu descobri o trabalho da Sarah e experienciei em primeira mão o método Developing You nas sessões que fiz com a Freya (e pelas quais me sinto grata).

Nesta entrevista, a Sarah partilha com o Skin at Heart a sua experiência e como The Gift Practice e Developing You estão a fortalecer as pessoas para se religaram no seu estado de felicidade natural.

 

1 – O quê que a atraiu para esta linha de trabalho?

Quando eu era mais jovem, eu sentia que eu era duas pessoas diferentes, uma que tinha dificuldades na escola e não se conseguia encaixar e outra que era mais viva, apaixonada e confiante. Eu balançava entre estes dois estados e eu sabia que queria ter controlo disto em vez de deixar que estes estados tivessem controlo sobre mim. Isto iniciou a minha história de amor com o desenvolvimento pessoal e como a mente pode literalmente mudar o nosso estado e consequentemente a nossa vida. Eu sabia que tinha de partilhar o que tinha aprendido para poder fortalecer outras pessoas a atingirem estados elevados e para lá do que acreditavam ser o seu potencial, para que também pudessem criar a vida que tinham sonhado.

 

2 – Pode descrever um pouco a prática The Gift e como afecta a vida das pessoas?

Nós estamos literalmente a viver a nossa vida com base em hábitos e para podermos fazer mudanças duradouras temos de criar novos hábitos de pensamentos, emoções e comportamentos. Temos de – literalmente – religar o nosso cérebro se queremos viver a vida que queremos e ser a pessoa que sabemos que queremos ser. Para criar estes novos hábitos temos de praticar os básicos diariamente, regressando sempre ao nosso centro em cada manhã. Temos de começar o dia com a intenção do que queremos que o dia nos traga. E se a vida nos deitar abaixo do nosso eixo temos de retomar e voltar a esse estado de equilíbrio. A prática The Gift faz justamente isso. Também nos permite estabelecer uma intenção para cada mês, em linha com aquilo que queremos atingir. Depois, praticar esta intenção cada mês vai permitir que crenças limitativas e negativas venham à superfície gradualmente, para que possamos lidar com elas. E estamos literalmente a mudar a nossa mente e a nossa vida, crença a crença, expandindo e crescendo desde o nosso centro.

Há um método que sustenta toda a aprendizagem, toda a manifestação e todo o crescimento. A maioria dos livros de desenvolvimento pessoal contém esta informação, mas perde-se porque há tanta outra informação que dão. Lemos um livro ou vamos a um curso sentimo-nos totalmente inspirados, como se a nossa vida fosse mudar para sempre, mas não dura muito. Isto é porque é necessário aplicar o conhecimento e torná-lo um hábito, de forma a crescer continuamente. Tem de se tirar inspiração e aplicá-la! E o que é difícil para as pessoas compreenderem é que é tão simples como fazer disto uma prática diária, e uma intenção uma vez por mês.

Aqui está um testemunho que resume o que acabo de explicar:

“Tendo usado esta prática por muitos anos, a mudança na minha maneira de ver as coisas e a minha vida é fenomenal. Se eu soubesse que algo tão simples como comprometer-me com uma prática dirária e estabelecer intenções mensais mudariam a minha vida desta forma, já teria feito isto há imensos anos. Todas as áreas em que me foquei mudaram – desde as minhas relações com os familiares, a minha carreira e potencial monetário, a minha saúde e bem-estar e também a minha espiritualidade e ligação ao mundo. Não há uma área na minha que esta prática não tenha transformado. O meu único arrependimento é eu não saber disto na minha adolescência…”

 

3 – O seu livro The Gift: A Simple Daily Practice é um reflexo do excelente trabalho que tem vindo a fazer com pessoas. Pode falar-nos um pouco do livro?

Nós estamos todos a tentar demasiado. A vida não é feita para ser assim tão complicada. Nós somos todos parte da mesma energia que criou mundos e temos de aprender a aproveitá-la. Quando a tivermos podemos criar tudo o que quisermos. Tudo na natureza está a mover-se e a crescer e nós não somos diferentes. Quando entramos no fluir das nossas vidas não há mais nada a fazer a não ser mudar de direção. Isto näo quer dizer que não estamos em controlo, mas sim que tomamos controlo da única coisa sobre a qual é suposto termos controlo: a nossa mente.

 

4 – Pode partilhar com o Skin at Heart quais os principais factores que fortalecem as pessoas e como é que as pessoas atingem esse estado?

Tem de se querer ser o nosso melhor eu possível e viver a vida que se quer viver. Tem de se acreditar que se consegue e depois estar comprometido com isso. Isso tem de chegar primeiro, mesmo que as evidências correntes pareçam sugerir o contrário. Pode soar como um cliché, mas temos de mudar de consciência de vítima para consciência de criador. Nós somos a criação e o criador, e quando realmente sentimos isso, somos o ser mais poderoso criativamente no universo. Quando confiamos nisto, estamos no nosso melhor estado, e depois a aventura comece realmente pois começamos a criar o nosso mundo.

O que é importante é que primeiro retornemos a um estado de equilíbrio e ligação, centrados mentalmente, emocionalmente e fisicamente. Queremos lembrar-nos a nós próprios qual é a sensação de estarmos sobre os nossos dois pés, mas sendo fluídos e vivos. Temos de fazer isto cada dia, para nos ligarmos ao nosso centro e ao poder divino em nós próprios. Isto tem de se tornar um hábito primeiro. Quando compreendemos que somos verdadeiramente poderosos, então sabemos que somos capazes de criar a vida e a experiência que quisermos por mudarmos cada crença limitadora de cada vez.

 

5 – Pela sua experiência, quais são os principais hábitos que contribuem para o bem-estar geral do ser humano?

Se as pessoas se podem ligar em quem são, a sua natureza verdadeira poderosa que é divina, depois têm de estabelecer um compromisso para a sua própria felicidade e alegria. Quando se faz da alegria a nossa base e não da “miséria”, elas depois têm de valorizar-se a si próprias o suficiente para viver alinhadas com isso. A maioria das pessoas aceita a miséria como a sua base e ocasionalmente “tira férias” e experiencia felicidade e alegria, mas esta atitude é uma falha. Quando nos sentimos felizes, voltamos depois ao nosso estado de miséria; mas se a nossa base for alegria e felicidade temos uma base muito melhor e muito mais harmoniosa. Temos de voltar ao compromisso de sermos felizes e alegres na nossa vida e deixar isso guiar-nos. Se estamos infelizes é porque estamos a viver contrariamente à nossa natureza divina, em pensamento, ato ou ação. Quando nos valorizamos o suficiente para sermos felizes diariamente e criarmos a vida que queremos, faremos o que for necessário para nos sentirmos bem. Isso é bem-estar.

 

6 – As pessoas queixam-se frequentemente de imensas coisas e isso é apenas um reflexo das suas lutas internas e fragmentação. Como é que as pessoas podem atingir paz interior e cultivar um estado de serenidade e consciência na sua vida diária?

As pessoas têm de desenhar uma linha na areia e decidir que são as criadoras da sua própria vida, que a relaçäo mais importante que podem cultivar é consigo próprias. Podem sentir-se desafiadas por outras pessoas e situações, mas precisame de reconhecer que isso só está a desencadear algo em si próprias, então têm a oportunidade de se expandirem e crescer. De certa forma, necessitam celebrar estes momentos que trarão maior consciência e a oportunidade de mudarem as suas crenças e, como tal, continuarem a transformar as suas vidas.

As pessoas irão atingir paz interior de uma prática simples que as liga à sua natureza divina e ao poder que vive dentro de si próprias. Mas devido ao facto de os seres humanos quererem atingir mais e isso trazer consigo medo, dúvida, ansiedade, etc, é necessário aprender a atingir o que se pretende enquanto se mantém centrado e equilibrado. As pessoas precisam aprender que os desafios têm de vir para as abalar temporariamente do seu eixo se pretendem crescer, mas como elas sabem como regressar ao seu estado de paz interior a cada dia elas podem desapegar-se deste drama.

 

7 – Quais as últimas palavras que gostaria de partilhar com os leitores do Skin at Heart?

Acorde amanhã e diga “Eu valorizo-me o suficiente para…” e preencha o espaço em branco. Depois, em cada dia durante um mês diga isto alto todas as manhãs (certifique-se que diz isto alto). Depois tire cinco minutos e sente-se sossegadamente a inspirar e a expirar, antes de começar o dia. Na noite antes de ir dormir escreva pelo menos três coisas que valorizou sobre si própria/a durante esse dia, se não mais. Talvez tenha mudado um pensamento negativo por um positivo, ou talvez tenha feito algo por alguém ou valorizado a consciência e o estar presente. O que quer que tenha valorizado nesse dia sobre si próprio/a escreva, e repita isto durante um mês e prepare-se para se surpreender.

 

Se deseja apoiar o trabalho do Skin at Heart, visite a página do Patreon para informação exclusiva.

Deixar uma resposta